✿ Uma relíquia..✿







(((o)))o(((o)))o(((o)))  

A insônia  havia voltado a atacar...Estava grande ! 


Talvez em parte porque Ceres estava com mil e umas idéias em sua cabeça.Queria trabalhar num livro que estava iniciando,  onde falava sobre parâmetros  de comportamentos  e  vivências do passado ao presente. 


Por isso, cada tempinho que lhe sobrava, estava no computador, escrevendo.


Naquela noite,ao perceber que não conseguia voltar a dormir, levantou e foi para ele que se dirigiu.


Então, a triste constatação!
Nada de internet.
Após várias tentativas , mexendo aqui e acolá, resignou-se a esperar que voltasse.


Volta a deitar e de repente pensa:
_ Resignar-me? Nem morta!!! 
Vou dar outro jeito de escrever, mas que escrevo, ah, isso escrevo, pensava ela.Não faz minha cabeça ficar aqui , olhando para o teto, contando carneirinhos!


Ia pegando o seu caderninho e caneta quando ao abrir uma parte da escrivaninha, se depara com uma antiga máquina de escrever "Remington" que pertencera ao seu avô, um escritor  frustrado pois nunca conseguira publicar nenhum dos seus escritos e era agora,relíquia do seu pai . 


A tira do estojo, tudo ali era perfeito.


A leva para cama e se põe a escrever.


Parecia que as palavras saíam mais facilmente, mesmo naquela posição desajeitada que escolhera.


As palavras surgiam em sua mente aos borbotões e vinham numa simplicidade impressionante. 


Ela conseguiu sentir a emoção do seu avô e a pode transferir ao seu trabalho. Era tudo o que precisava sentir!


Viu exatamente como ela fazia, quais teclinhas utilizava para seus trabalhos. 


Foi uma emoção linda e agora, todas as noites em que a insônia lhe abatia, já pegava a sua velha companheirinha e tão nova amiga...


Percebeu que, para aquele livro, falando desse tema, sentir tudo aquilo,lhe fez muito bem.


Depois de algumas semanas , pouco a pouco, passou para a digitação ,mas sentia-se plenamente satisfeita e parecia estar ao lado do vô, ou que este lhe soprava palavras ao ouvido. 


Sabia que esse livro, seria um sucesso  e seria, certamente, em homenagem ao avô querido!