✿ Stanley, o anjo amigo ...✿

Participando da 

(((o)))o(((o)))o(((o)))

Era forte o frio em Banstead,Inglaterra....


As previsões eram de chuvas e até nevascas para aquela noite.


Nathy e John estavam em casa, debaixo das cobertas, com todo ambiente aquecido , conversavam sobre o futuro.


Haviam tantos planos!Como seriam suas vidas após o nascimento da menininha que esperavam? E tantas coisas mais...
Era uma fase linda essa da espera, embora cheia de ansiedades...


Já cansados, despedem-se, Nathy procura a melhor posição para dormir e os dois ali ficam, relaxados, descansando para um novo dia.


No meio da noite, Nathy sente uma dor e  algo estranho... 


Foi ver, havia rompido sua bolsa...Estavam ainda, pelas suas contas, faltando umas três semanas para a chegada de Beth,sua filhinha.


Mas, pelo visto a coisa era para agora!!!


_John, John, acorda!! Vamos ao hospital! Chegou a hora!


Enquanto se aprontavam, de repente tudo ficou escuro.E ainda,a nevasca prevista,chegara!Não havia luz na cidade!


_ Ele atucanado ,nem mais suas roupas encontrava. Ela , mesmo no escuro,conseguiu aprontar-se antes dele.


Enfim saem de casa... 


As contrações agora estavam ficando cada vez mais fortes. Ele falara com o médico que já os esperaria no hospital.Porém esse, ficava distante uns cinquenta minutos dali.


John dirigia nervoso .


Nathy parecia não mais aguentar e a neve caia em forma de chuva quando ela pede :
_ Estaciona o carro, acho que vai nascer...


_ John viu que do outro lado da pista, em sentido contrário, vinha uma camionete. 
Teve a idéia então de ir falar com o motorista para que colocasse os faróis para clarear a fim de que ele pudesse atender Nathy ( ou tentar).


Porém Nathy, abre a porta do carro e  tenta achar uma casa para bater à porta. Nessa hora, escorrega, cai na camada de neve , bem branquinha que se formara e no escuro mesmo, sente que é chegada a hora.


John quase desmaia ao vê-la no chão, entre a neve que caia em flocos.


O  motorista quando viu aquilo,apenas perguntou a John se ele sabia o que fazer. Ao ouvir um NÃO,correu e nem deu tempo de colocar os faróis...


Correu para lá e agachou-se pedindo a John que  se preparasse para  apenas  aparar e receber a menininha que insistiu em chegar antes do tempo.


E ela nasceu, rapidinha...


Tinha pressa de ver a luz do mundo que agora novamente, aos poucos, voltava no bairro. Assim, Fred, aquele motorista, agora amigo,pode fazer o resto, com seus conhecimentos de papai de quatro filhos.


Que emoção sentiam,como era linda a menininha! Mas era hora de ir com as duas ao hospital.


Foram então levadas para a camionete e nela, já com pneus com as correntes, apropriados para chuvas e neve, seguiram seu caminho.


A  pequeninha foi enrolada nos casacos de John e estava segura.  


Deram entrada no hospital, atendidas logo e a primeira visita, já no quarto, que recebeu foi do amigo motorista.


Esse se emocinou e perguntou à Nathy qual seria o nome da menininha, pois ainda não sabia.


Ela respondeu:
_Beth.


-E o seu?


_Me chamo Stanley.


Nathy  se emocionou ao ouvir aquele nome. Era o mesmo de seu pai que falecera  repentinamente há pouco tempo e  sempre lhe dizia que em toda e qualquer situação o velho Stanley estaria com ela.


Ele não veio, infelizmente, mas mandou outro, que foi convidado para padrinho de Beth, a bonequinha que nasceu na neve.E claro, aceitou feliz!