♥ A morte não os separou... ♥





Edição Conto/História do Bloinquês

Tema: "Eles sabiam que estavam indo ao encontro da morte, impossível não saber"


(((o)))o(((o)))o(((o)))

Após grandes sacrifícios financeiros  das famílias, com cursinhos preparatórios e deles, com o  esforço ,estudo e horas e horas dedicadas apenas aos livros, Vitor e Juliana conseguiram ser aprovados no tão sonhado  curso de medicina. E ainda, na Universidade Federal, vaga tremendamente disputada.

Haviam apenas saído do colegial e desde muito tempo eram amigos, além de colegas.

Eufóricos, iniciaram juntos, faziam as cadeiras  ,seguindo o curso normalmente.

Já no terceiro semestre, se depararam com  as tão comentadas  aulas de anatomia.

Era inevitável, teriam que passar por todas as lições dessa cadeira , que era rica em detalhes importantíssimos para a boa formação deles, futuramente.

As aulas aconteciam naturalmente e chega o dia em que a pauta do dia era: Dissecação de cadáveres.

Ansiedade, nervosismo de Juliana, bem explícitos, eram sentimentos disfarçados em Vitor, que preferia se manter firme, fortão, ainda que por dentro tremesse nas bases.

Naquela hora, ao cruzar o corredor e chegar àquela sala, eles sabiam que estavam indo ao encontro da morte, impossível não saber.  Esse tema era sempre falado, visando uma preparação ao momento.

Porém, uma coisa era falar e outra, saber que ali, do outro lado da porta, aquilo os esperava.

A ansiedade não era apenas deles, vários outros estavam na mesma.

Chega a hora, o professor ali os esperava e quando lhes mostra um braço,o silêncio daquele lugar foi quebrado por vários  sons .Eram  Ohs!!!Ahs!!!Erghs!

O professor inicia a aula, acostumado com o mal estar que aquele material causava aos principiantes. Para ele, era apenas um MATERIAL, para os outros,era um braço humano.

Ao final daquela  aula, três faltavam. E, nosso amigo, Vitor, estava entre eles.

Desde aquele dia, Vitor se deu conta, teve a certeza que precisava, de que estava no curso errado. Não tinha  menor vocação para ser médico, se precisasse daquilo para prosseguir.

Tinha agora um problema:
Revelar seus medos os pais e dizer que abandonaria tudo, faria outro vestibular, procurando nova opção, que passasse bem longe   de sangue, membros  e até mesmo injeções.

Porém , mesmo tristes, os pais o compreenderam.


Juliana prosseguiu e se encontrou na profissão. Não mais se viram.Ela casara e trabalhava muito. Os plantões eram longos e frequentes.

Após muitos  anos, se reencontraram, quando, apressada, chega num escritório de advocacia e vê  Vitor, como dono daquela banca.

Ela fora lá para tratar de dar início à sua separação de Mauro, um ex colega e que passaria a ser definitivamente ex, em toda sua vida.

Foi um lindo encontro de amigos que haviam se perdido nos emaranhados dos cursos, trabalhos, estágios.

Vitor ainda estava solteiro, não pensava em casar-se.  Porém, novamente estando perto de Juliana e agora tratando de seus interesses, viu o quanto ela fora e ainda era linda, educada e sobretudo, a mulher que parecia esperar para viver.

A audiência de separação aconteceu, ela estava livre do marido, mas seu coração já estava ocupado....
Vitor estava bem sentadinho dentro dele e era recíproco.

Trataram de nem perder mais tempo com nada.

Foram viver juntos e são felizes como sonhavam, cada um com sua profissão e aptidões.Um respeitando o outro.

Passam alguns anos, Juliana estava para dar à luz: seria um parto cesáreo.

O médico pergunta à Vitor se ele assistiria o parto para estar perto da Juliana, mas essa, correndo, depressinha, tratou de dizer:
_Não, doutor, prefiro que não.

 E deu um sorrisinho ao marido que suava frio já li, mas ficara aliviado!

Vitor foi chamado apenas depois que tudo estava prontinho, o bem, limpinho, enroladinho, pronto para o abraço. Assim, ficaram os três, por vários minutos, agradecendo a bênção daquele momento...