✿ 8 ou 80? ✿


Bloinquês :
42ª edição cartas - 8 ou 80 ?

(((o)))o(((o)))o(((o)))


São Paulo, 13 de maio de 2001



Prezada diretora do Colégio Maria das Marias



Venho por meio desta, apresentar sugestões para resolver alguns probleminhas , com relação à minha neta, Fernanda Mossoró, no que se refere às atitudes que tenho observado  no referido colégio.

Meus filhos estudaram nesse mesmo colégio, ainda no Rio de Janeiro e sempre o considerei muito.

Aprenderam muito tanto em educação quanto em matérias e conteúdos escolares. Minhas recordações de lá são fabulosas.

Por isso, mesmo que hoje estejamos morando em S.Paulo, acreditei que com as devidas diferenças de tempos, o colégio mantinha essa categoria que seu nome faz lembrar.

No entanto, o que tenho encontrado?

Indisciplinas na entrada e saída, corredores sempre lotados, crianças que ficam fora da sala de aula com seus celulares e joguinhos eletrônicos, crianças que se  abalroam enquanto correm, sem respeitar os menores,os coleguinhas e qualquer pessoa que por elas passem.

Antes a pauta do dia era o respeito, educação sempre, na dianteira de tudo...

Haviam rigores até exagerados,como por exemplo, não eram aceitos atrasos em hipótese alguma e alguns rigores quanto ao uniforme.por exemplo.Nada porém, que houvesse feito mal aos alunos.

Mas  o que vemos hoje?

Parece que tudo foi esquecido. O que era 80, virou 8 e tantas coisas boas no meio disso foram perdidas.Entre o QUENTE e o FRIO temos sempre considerar que existe o morno, o meio termo...

Não podemos abrir mão da educação de nossos pequenos,de lapidar nossas crianças, trabalhar o bom que elas trazem de casa para a escola... Temos que aproveitar tudo a favor delas.

Lembro aqui um pensamento de Maria Fontaine:

"Crianças difíceis, assim como roupas muito sujas podem se tornar uma beleza se receberem os devidos cuidados antes das manchas grudarem".

Assim, simplesmente virar as costas para crianças que praticam o bullyng, maltratam colegas, sob a alegação de não poder se envolver,isso me parece demais...

É como lavar as mãos perante a situação.

Por outro lado, com relação às faltas de um aluno doente que não pode comparecer ( até mesmo seria de agradecer, pois não contaminará os colegas com seus vírus) , são feitas tantas e tantas exigências ,tantos transtornos para os pequenos, com as normas para  recuperação de temas e matérias. Por que complicar tanto?

Acredito que o colégio deva se ser o lugar onde a prática da moderação possa ser exercida e deve ocorrer por parte de professores, pais e alunos.

Descomplicação, praticar a simplicidade observando a moderação.

Há muito a ser visto entre os extremos...Tanto a ser observado...

Assim, coloco-me à disposição para se necessário for, uma conversa  para tratarmos mais efetivamente do que aqui aventei...

Um abraço, atenciosamente,



Firmina de Paula Batista de Grilo


* Nomes fictícios, caso fictício, apenas para participação no projeto...