♥ É foooooooooooooooogo!! ♥




Tomate cereja, mozzarella , manjericão apanhado na hortinha caseira, bem fresquinho...

Tudo pronto à espera do amado...

Vinho  já na geladeira...

Mesa  linda,mas rusticamente arrumada, como o lanche pedia...

Apenas bruschettas . Tinha que ser algo bem leve, ambos estavam de  dieta.

Ele chega na hora marcada, aliás, isso era  algo que a encantava. Detesta esperar!

Na chegada, beijos, abraços, matando as saudades das  vinte e quatro horas   de distância...Eram tantas para eles, apaixonados.

Logo, seguem para a cozinha do mini apartamento de Vera. Da sala, já todo apê se podia visualizar...

Mãos à obra. o prato era "dificílimo"!!!

Vera inicia a  tostar o pão  italiano cortado por Fredy!

Tosta, num maravilhoso azeite de oliva, de um lado, de outro!  Hmmmm.  Assim faz noutra fatia, noutra, noutra mais. 

Fredy, com as mãos já desocupadas, tratava de ocupá-las e chegando-se perto dela, a fez esquecer  o pão... Entregou-se. 

O cheiro, a fumaça do pão torrado, do pano que  queimara, pois estava insensatamente perto do fogão, a frigideira não mais recuperada...

Após as correrias, muitas risadas... A coisa  por lá poderia ter terminado pior!

Saíram da cozinha e todo o apartamento estava enfumaçado!

Impossível ali ficar!

Fredy lembrou  de passar pela geladeira, pegou o vinho, duas taças e foram para a entrada do prédio. 

 Lá de baixo, saborearam uma boa pizza, que chamaram por telefone, ela bem calórica ( tudo o que não queriam)... 

Fizeram um programa diferente.

Quinze anos se passaram...

O tempo voou e eles já casados,sem filhos, por opção,  entre a rotina do dia a dia.

Vera, enquanto preparava o jantar certa noite, após trabalhar como uma mula numa multinacional, olha para a sala e vê Fredy que, ainda com as roupas do trabalho já dormia no sofá!

Aquela cena que , em outros dias,poderia indicar apenas o  cansaço da parte dele,naquele dia lhe caiu mal.  Ela também trabalhava, também estava morta de cansada e ainda tinha tudo a lhe esperar, na casa,  e comidas a preparar.

Olhou para as bruschettas que  intencionava preparar,  para acompanhar com uma salada...

Olhou novamente pra sala e viu aquela cena.

Resolveu deixá-lo por lá mesmo. Preparou as suas, tomou um bom vinho...  Creio que passou um pouco da conta...

Passa pela sala, vai até o sofá... Insinua-se. Ele acorda e  dessa vez, a fumaça foi de amor apenas, mas incendiou os corações e todo ambiente exalava a amor.

Pouco depois, ele lembra da fome... 

_ O que temos para o jantar? 
_Jantar? Estás louco? A essa hora!  Eu já jantei enquanto dormias!

Ela estava exausta, mas vendo o cansaço e olhos famintos nele, resolve fazer a parte dele.

Esquece o pão novamente.Esse torra. A cena , de tantos anos atrás, se repete...

Entre fumaças, reúnem algumas peças de roupas, colocam numa bolsa e vão para um hotel!

Sua situação já permitia isso!

No restaurante do hotel, já tarde da noite, ele escolhe um prato rápido, mas, antes dele, como entradinha característica  por lá. o que surge?  Sim elas...

Quando viram aquelas velhas conhecidas, riram muito.  Ele as saboreou, jantou  por lá e foram para o quarto.

Dormiram  muito bem !Mereciam.  

Desde aquele dia, bruschettas , em sua casa, nunca mais fizeram parte do cardápio...

chica