♥ A chuva, parceira... ♥


Imagem vi aqui

Álvaro viajara a serviço.Estava há quase três meses, um longo período, portanto, fora de casa!

Gina, saudades  sentia a cada dia mais.

Durante o dia, entre seu trabalho e afazeres, a vida seguia seu rumo, mas à noite, dormir sozinha naquela imensa cama ,lhe deixava triste.
Pouco dormia, na verdade!

E, para ela, as noites eram longas, intermináveis. 
Geralmente, via amanhecer ainda desperta...

Mas naquele dia, ao amanhecer, olha para a janela aberta e vê a chuva forte, que lavava árvores e campos.

Estranhamente, ao girar-se na cama,sente um "puxãozinho" dentro de seu ventre, bem de leve, muito leve mesmo. Quase imperceptível, mas ela, com a sua sensibilidade apurada, percebeu.

Levanta-se, toma o café e inicia o dia, com sua rotina normal...

Porém não esquecera aquela sensação ao acordar, um beliscãozinho leve, mas parecendo mágico.

Voltando a pensar nele, lembra-se que suas menstruações não haviam aparecido. Mas como ela era totalmente desregulada, não se dera por conta.

Porém ,hoje, tinha uma certeza: estaria grávida, como há tanto tempo ela e Álvaro desejaram...

Mesmo na chuva, foi à cidade, fez exames  em seu médico e voltou feliz para casa.

Tantas coisas lhe passavam pela cabeça agora, mas a primeira foi ligar ao marido para avisá-lo, dar a excelente notícia...

Do outro lado , ao invés de entusiasmo e alegria, ouve uma voz seca, grave: 

-É!

_Estou feliz, tive hoje a notícia, acabo de voltar do médico e a primeira coisa que fiz foi te contar.

Álvaro desligou o fone. Ela pasma, liga novamente...

Atende uma  voz feminina que diz Álvaro não se encontrar...

Chocada, Gina emudece e desliga.

Em sua cabeça tantas coisas agora passavam. 

_Vou ligar novamente! E assim, o fez várias vezes mais , sem resposta. Apenas atendia a mulher do outro lado e ela desligava.

 _Pronto!

 Fui traída! Tanto esperamos esse dia, mas ele não soube me respeitar. E assim, sem saber se vivia a alegria da descoberta matinal ou a tristeza da traição, faz planos.

E neles, claro, o da súbita separação e assim, não deixá-lo nunca chegar nem perto daquela criança que carregava... E tantas coisas mais!

Esqueceu-se em meio à tudo isso, de almoçar e já sentia muita fome, no meio da tarde.

De repente, um ruído lá fora. Abre-se a porta!

Era Álvaro que entrava, esbaforido, alegre, feliz para encontrá-la.

_ Então foi por isso!

_ Isso o quê?

 -Nada,não! 

Óbvio que não confessaria ao marido a sua fragilidade e demonstração de insegurança.

Apenas iriam curtir os bons momentos...E assim o fizeram, mataram as saudades, se emocionaram juntos. 

Lá fora, a chuva continuava a cair. Mas agora, servia, com seu gostoso barulhinho, de fundo musical ao amor.

Álvaro, no outro dia teve que voltar  e reassumir o trabalho. Porém, Gina estava feliz. 

Não mais se sentia insegura e agora, ambos juntos, cada um em sua rotina, veriam o tempo passar... E ele passaria rápido,tantos eram os preparativos...

Logo, Álvaro voltou definitivamente.
O tempo passa, chega o dia desejado...

Nasce Léo , lindo, com olhinhos parcendo sorrir. Boquinha  parecia desenhada de tão perfeita e linda e ambos, não cabiam em si de felicidade.

Agora, Gina  tem parceiro para as madrugadas insones. Ela e Álvaro, como zumbis, perambulam,em turnos, com Léo no colo, pois o danadinho  gosta de dormir ao dia...E chorar à noite...

Mas, como tudo, aquela fase também passou... 

Hoje , podem curtir a alegria daquele filho sonhado e ainda, se curtir muito... 

Lá fora, o tempo já era frio.Mudara a estação .Chegara a estação das chuvas. 

Adoravam tê-la como pano de fundo ao amor!  Um amor ,por tantas vezes interrompido pelos chorinhos do bebê, mas sempre bem recomeçado depois...