♥ Alívio... ♥


EDIÇÃO VISUAL do BLOINQUÊS



Gilda hoje, após a última discussão com Greck, seu marido, toma coragem.

Não podia mais suportar aquela vidinha..

Não fora pra isso ,certamente, que seus pais a tinham criado e acarinhado tanto.

Não seria para um brutamontes tentar comandar sua vida e até lhe bater.

Enquanto ele, após encher a cara de mais um dos seus porres da vida, curtia a "manguaça", ela arruma suas coisas, rápida e decididamente.
Havia planejado tudo  antecipadamente, tinha as passagens para um cruzeiro para Itália, presente de seus pais...

Aquele homem não era nem homem, na verdadeira acepção da palavra.
Era uma coisa, algo que surgira no mundo e por acaso, dele ela se aproximar.

Ela intimamente alegrava-se de não ter tido filhos com aquele monstro, pois criança algum merece ver o que ela passou.

Enquanto afivela a mala, certifica-se que pegou todos os seus documentos e coisas importantes . O mais, deixaria ali.

Não queria nada que lembrasse aquele período triste de sua vida.

E assim, bate a porta de casa ,sem olhar para trás. Pega um táxi que a leva para a cidade vizinha de onde trataria de embarcar.

Já no porto, mais tranquila, sente o gostinho da liberdade.

Olha o céu, vê aves voando livres e pensa:
_Também posso voar! Estou livre!!

E, realmente, estava livre de uma prisão que aguentou por dezoito meses apenas, mas que lhe deixariam marcas físicas e morais.

Olha tudo por ali. Respira a alegria, o ar do mar...

Via no céu nuvens, mas poucas eram negras. Eram nuvens que naquela hora lhe deixavam um recado:

_ TUDO VAI MELHORAR!

E ela acreditava naquilo.  

Passaria agora quinze dias na Itália e depois reenergizada, retomaria a sua vida, na cidadezinha de seus pais,que a acolheriam e a esperavam, prontos , felizes por ver a filha novamente no mundo que merecia, onde trabalharia como sempre fez, mas teria seu cantinho de paz, ao voltar para casa.

 Estaria rodeada de amor, isso é certo!

E, talvez, um dia aparecesse um outro  amor, verdadeiro,que lhe  fizesse bem! 

Cheia de esperança, ouve o apito do navio, chamando ao embarque. 

Entra com o pé direito, é recebida  pelo Capitão...

E que Capitão!  -Pensa ela, rindo por dentro...

_Te aquieta menina, fala para si mesma e segue para sua cabine ...

Está feliz com sua liberdade e agradece aos pais por terem feito com que abrisse os olhos , oferecendo apoio e ajuda. Era disso que precisava no momento. 

O resto?

Viria a seu tempo!