♥ Divagações de Léia...♥



Caminhando pelo parque perto de casa, Léia ia, segura e feliz!

Respirava o ar puro, se energizava, renovava emoções.

Passeando ali, lembrava dos passeios que outrora fizera com sua família, os piqueniques ali  desfrutados, com apenas pãezinhos, salsichas, bolachas, frutas e um isopor com bebidas.

Os pães, apenas comprados na padaria, eram levados em vários pacotes.Tantos, pois a fome por lá, parecia ter também, sido convidada.

Todos os filhos brincavam, jogavam bola, corriam, mas todos gostavam de ver o pai preparar o foguinho, mínimo, que servia apenas para esquentar as latinhas de salsichas para os pães.

Não pode deixar de lembrar quantas vezes ela esquecera o abridor de latas,rs... Mas sempre era dado um jeitinho, nem que para isso o pobre marido quase ficasse sem as mãos, de tanto bater com pedras...

Mas, naquele dia , olhou tudo com olhos de muitas saudades...

Agora, por lá, até pedalinhos, com filas imensas, nem bolas eram mais  permitidas, muito menos, piqueniques.

Serve agora para arrecadar, arrecadar muito dinheiro dos turistas em seus bares e restaurantes à orla do lago.

Ela sente pena! Tantas mudanças!

E, no entanto, para ela, tanto também mudou:

Os filhos cresceram, lhe deram netos que, pobrezinhos, já não tem toda liberdade de seus pais para correr e brincar.

De repente, Léia olha num cantinho do caminho.

_AH! A nossa parede de pedras...

Nela, vê uma cestinho de flores lindas, simplezinhas, bem vivas...

Ela olha bem, se aproxima e ouve uma voz.

Chega mais perto e pode ouvir, em cada flor, as vozes  de  cada uma das suas crianças:

_Quero mais!
_Acabei!
_Podemos jogar bola?
_Pai!
_Mãe!

Elas não paravam de falar e lhe olhar.Lindas,  azuis e roxinhas...

_Quem são vocês? Pergunta Léia.  Como falam tanto?

_Somos a simplicidade dos momentos passados.
Ficamos aqui registradinhas e nunca a queremos esquecer...


_ Pode nos levar contigo?
Vamos  te ajudar a nos distribuir sempre, em tua casa, em teus caminhos.

Temos certeza que conosco, terás o doce gostinho do quero mais!

Não nos deixe aqui!

Léia ouviu, pegou a cestinha e pensou:

_Que bom que ela ainda existe e conseguiu provocar em mim essa magia. Com ela, quero e preciso continuar sempre...

Seguiu seu caminho e ria agora até com o coração...

* Imagem daqui