* Uma carta...


33ª edição cartas do Projeto Bloinquês

Tema: Cadê a Noiva?

(((o)))o(((o)))o(((o)))

Rondonópolis, 25 de março de 2001

Querido Aparecido!

Muito pensei antes de te escrever essas linhas.

Queria ter bem certeza, dentro de mim, que elas seriam lidas. Pensei, repensei, te vi na minha frente em imaginação e quero acreditar que as lerás.

Sei que estás com muita raiva  ainda, que tua família não quer que te aproximes de mim , sei de tudo.

Quero apenas, e numa última vez, te explicar o que aconteceu realmente.

Sabes que tive meu dia de noiva no salão do Afrânio, com direito ao relaxamento, preparativos todos pra me deixar o melhor possível para a nossa horinha.

Antes de colocar o vestido, já até maquiada estava, quando tive uma enome dor de barriga, claro, de nervosa...

Fui até o banheiro e na hora de dele sair, a porta trancou.

Gritei, gritei e ninguém apareceu.

Resolvi escalar a porta, aplicando todas as minhas aptidões físicas que tanto conheces...( ops, abafa o caso!rss...)mas o resultado nada me agradou: caí, bati as costas no vaso e assim fiquei ali.

Chamava as pessoas, mas apenas após uma hora, conseguiram me tirar dali, pois nem caminhar conseguia.
Eu estava literalmente "estropiada"!

Minha família já estava àquela hora, me esperando na igreja, eis que sairia de lá, diretamente para lá, onde meu pai me esperaria à entrada para  me levar ao altar e me entregar à ti.

E foi nessa hora...bem ...(te prepara para o que vais ler...) Como dizia, foi nessa hora que aparceu D. Xênia, a faxineira do salão...

Ao ver o desespero de todos, pediu licença e disse que precisava me dizer algo.

Então, ficou me provando por A mais B, que tudo aquilo havia acontecido para evitar um mal muito maior, que nós seríamos muito infelizes, e tal e coisa...

Sabes bem o quanto sou crédula e gosto dessas coisas, acredito nas forças do destino...

Naquela hora decidi e fiquei escondida lá no salão e Afrânio que foi muito gentil, atendeu todos os telefonemas ajudando a encobrir  meu "sumiço" para toda família que ligava para lá desesperadamente.

Ali passei aquela que seria nossa noite de núpcias. Dormi muito bem, por incrível que possa parecer.

No  dia seguinte, liguei aos meus pais e contei tudo.
Ah! Foi uma hora de sermão que ouvi, mas hoje, estão bem contentes e acho que devo partilhar também contigo nossa alegria.

Não estou casada,mas estou grávida. Tenho certeza que Afrânio será um ótimo pai para nossa Aparecida...( o nome foi escolhido em tua homenagem pois afinal, se não fossem os preparativos do nosso casamento, não o teria encontrado e visto nele o homem dos meus sonhos...)

Espero que entendas e um dia me perdoes...

um beijo, com respeito e carinho,

Francineide

* Em tempo: Acabo se sentir o primeiro movimento ,em meu ventre da Aparecidinha. Talvez ela esteja te pedindo para ser padrinho dela.O que achas? Eu ficaria muito feliz!