* A linguagem do amor...

16ª edição ROTEIRO do Projeto Bloinquês


(((o)))o(((o)))o(((o)))

Janaína estava em coma há vários dias, após  um acidente que se envolveu com seu automóvel.

A batida  na parte traseira da cabeça não causou ferimentos externos, mas  para desespero de seu marido Rogério e familiares, desde então ela não mais pronunciou uma palavra apenas.

Era horrível vê-la naquele estado.

Segundo os médicos  o trauma havia sido fortíssimo e as perspectivas de que voltasse logo  eram remotas.
Parecia haver desistido de viver. Não reagia a nada.Seria preciso muito trabalho!

Rogério, no entanto, era dedicadíssimo e sempre que podia estava ali ao seu lado. Não desistia!

Falava, a acariciava e nada. Mas algo lhe fazia ter esperanças.

Havia um diário de suas vidas, onde cada um escrevia ao outro o que sentia.Poucas linhas ,não diárias, mas sempre que sentissem vontade.

Funcionava também como um quadrinho de recados e sempre que um saía deixava algumas linhas ali registradas.

Assim, a cada dia ele levava  junto essa agenda ao hospital e lia alguma frase, um recadinho.
Por muitos dias, nada de reação, mas  naquele dia, ele leu:

"Minha querida...sei que estarás triste sem minha presença aqui. Não gostaria de passar tanto tempo sem ti, mas o trabalho assim exige. Porém ,a cada saudade, lembra-te que te amo,te amo muito,muito,muito, muito , muito, muito................................................................muito...MUITO!!!

E eu de onde estiver, ao pensar me ti, lembrarei teu sorriso ao ouvir essas palavras!  Volto logo!"

A cada palavra lida  ele a observava. Nada de reação.

De repente,  enquanto ele repetia, verificou um leve movimento nos lábios, como um sorriso...

Continuou a leitura e repetição, por várias vezes...

Nota então, a primeira palavra  sendo esboçada em seus lábios e eis que a escuta...
-Am-ooo-r , dita com tremendo esforço pela primeira vez e depois repetida , junto  um olhar  profundo, ainda opaco...

Rogério quase sem espirar ,emocionado, continuou!

Dentro de si exultava de alegria.

Olha para o único quadro do quarto do hospital, um crucifixo. Fecha os olhos por segundos e agradece.

Agora tinha certeza que Janaína havia voltado...

Faltava pouco agora e em breve,ele continuava com a esperança, leriam juntos os recados daquela agenda só dois dois,  onde a linguagem era o amor.

E esse a fez voltar...